FaceBook Twitter Google+
Início » Arquivo » Eventos de Setembro 2016
Exposição coletiva [ g a v e t a (S) ]



Quando: até 8 de setembro
Onde: Museu Histórico de Santa Catarina, MHSC - Palácio Cruz e Sousa
Endereço: Praça XV de Novembro, 227 - Centro
Quanto: Gratuito

Abertura 24 de agosto às 19h
Visitação até 8 de setembro de terça a sexta-feira das 10h às 18h; sábados, domingos e feriados das 10h às 16h

De 25 de agosto a 8 de setembro, o Museu Histórico de Santa Catarina, que a Fundação Catarinense de Cultura (FCC) administra no Palácio Cruz e Sousa, recebe a exposição [ g a v e t a (S) ], desdobramento da disciplina Ação Educativa em Espaços Culturais, oferecida no Centro de Artes da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), na graduação e na pós-graduação. A mostra, com abertura no dia 24 de agosto, às 19h, conta com obras de Airton Jordani, Ana Sabiá, Denilson Antonio, Fabio Wosniak, Josy Souza, Luciano Buchmann, Maressa Macedo, Neusa Duarte, Sandra Ramalho e Oliveira e Tatiana Cobucci. Entrada gratuita.

A coletiva defende a ideia de que a mediação não deve ser a única atribuição dos educadores de espaços culturais e reivindica que eles participem de todas as etapas de cada exposição, desde a ideia inicial das mostras, até sua divulgação. As várias autorias com liberdade propositiva além de levarem em conta o conceito polissêmico de gaveta, escolhida pelo grupo, tiveram como fundamentos a concepção pedagógica de trabalho de Arte e as ideias dos autores estudados na disciplina da pós-graduação.

"O que se pode observar é que se trata de um grupo formado por pessoas com passado, trajetórias e intencionalidades distintas, o que redunda em conceitos diferentes de memória, além dos diversos modos de abordar a temática. É o que o (S) do plural de gaveta bem o anuncia. Resulta uma mostra multifacetada, mas não diluída, pois a potência dos trabalhos se concentra em um único foco, qual seja, tema memória e sua metáfora, [g a v e t a (S)], assim como no interesse de todos pela arte e pela interação dos seres humanos com ela", explica a professora da disciplina Ação Educativa em Espaços Culturais, Sandra Ramalho e Oliveira.

"Continente sócio-cultural de memórias de gerações, o Museu Histórico de Santa Catarina, também metaforicamente, consiste em uma gaveta no traçado urbano de Florianópolis, cheia de histórias e lembranças. Portanto, é muito oportuno que abrigue esta mostra", completa.

Sobre as obras:

- Gaveta[s] compartilhadas é o título que Josy Souza deu ao conjunto de desenhos, ilustrações que dialogam entre si, compartilhando diversos sentidos em torno da ideia de trocas de memórias, inter-relações mediadas por matéria simbólica.

- Luciano Buchmann intitula seu trabalho de memória subterrânea. Retoma sua trajetória, na qual registrava e dava sentido a “dores, amores, rancores, sabores”. Ele desenha aspirações que contêm a angústia dele e de milhares de brasileiros impotentes diante de forças dominantes.

- Ana Sabiá apresenta um conjunto de três trabalhos, cada qual com três versões, trípticos contemporâneos sob a temática Bela, recatada e do lar, 2016 (I, II e III), uma alusão ao momento político vivenciado no país, perspectiva específica de questionamento feminista, seu objeto de estudo permanente.

- Airton Jordani apresenta seu trabalho intitulado Fundo da gaveta, fundo da memória, fotografias antigas de família, reconfiguradas pela técnica criada por Aloísio Magalhães, a partir de colagens de múltiplos cartões postais, denominada cartema.

- Lembrar é Existir é o título dado por Tatiana Cobucci ao produto da sua ideia; apõe a ele outra opção, após essa designação, acrescenta “ou”, e “como viver verdadeiramente se o aqui não o é mais e se tudo é agora?”, o que já diz muito sobre seu trabalho.

- Neusa Duarte intitulou seu trabalho de Por dentro de mim, dizendo que é a criadora e conservadora das suas memórias, que contam sua história, traduzida em gavetas que escondem lembranças às vezes empoeiradas.

- Corpo-Encontro-Acontecimento-Conhecimento ou somente um ensaio sobre o corpo é o título do trabalho de Fábio Wosniak, que nos desafia a “aprender a arte de mal-aprender, de saber que aprender é pensar e pensar é se divertir, pensar sozinho. Ninguém se perde por não entender.”

- Maressa Macedo, em Fique à vontade, só não mexa em nada, questiona: o que determina a memória é o nível de consciência no momento da experiência? Existem níveis diferentes de consciência? Quais as memórias que guardo da infância? Se eu não visse nenhuma foto, lembraria do que elas mostram?

- Denilson Antonio quer despertar o olhar para dentro da ideia De cabeça em cabeça, vasculhando os arquivos da memória e vislumbrando sempre a ação educativa, prioridade sua, por ser ele um educador de museu. A memória olfativa, gustativa e visual dos indefectíveis coquetéis de vernissage também é colocada em xeque, dada a invisibilidade do incompatível entre uma sala de exposição e o empapuço de petiscos gordurosos e calóricos – tema tantas vezes abordado pelo cinema - , salvo se os próprios alimentos fossem a matéria da poética objeto da mostra. Exposição coletiva [ g a v e t a (S) ]

Categorias: Setembro 2016
Deixe seu comentário!
comentários







Cinema Gratuito
Exposições


Inscrições abertas
até 07 Dezembro 2016 Exposição "Conexões Viscerais" e... >> Exposições
até 17 Dezembro 2016 Inscrições para oficinas gratuitas de comp... >> Educação / Cursos
até 25 Dezembro 2016 Inscrições abertas para o 4º Bazar Vegano ... >> Especiais / Outros
até 28 Maio 2017 Ironman Florianópolis 2017 abre inscrições >> Esportes
Curta nossa Fan-page
Siga-nos no Twitter
Buscar