FaceBook Twitter Google+
Início » Arquivo » Eventos de Março 2017
Cineclube Badesc exibe "Almas Perversas" (Scarlet Street, 1945) de Fritz Lang



Quando: 15 Março 2017, Quarta-feira, às 19 horas
Onde: Fundação Cultural Badesc
Endereço: Rua Visconde de Ouro Preto, 216 - Centro
Quanto: Gratuito
Evento no FB: www.facebook.com/events/1486588414745673

Art 7

Almas Perversas (Scarlet Street)
De Fritz Lang. EUA. 1945. 103min. Drama. Sem classificação.
Com Edward G. Robinson, Joan Bennett, Dan Duryea.

Chris Cross (Edward G. Robinson), homem de meia-idade, trabalha há 25 anos num modesto emprego num banco. Numa noite, ele ajuda Kitty (Joan Bennett), uma jovem prostituta por quem fica obcecado e a quem faz acreditar que é um rico artista. Kitty então passa a se aproveitar de Chris.

Baseado no romance "La Chienne", do francês Georges de la Fouchardière (que já havia sido filmado por Jean Renoir em 1930, como "A Cadela", com Michel Simon), mostra o triste desenvolvimento do triângulo amoroso entre um caixa de empresa, tímido e fracassado, oprimido pela própria mediocridade, uma prostituta amoral e insensível e seu violento gigolô. Na versão de Renoir havia humanismo e a história era tratada como uma tragédia social. Mas Lang preferiu carregar na sordidez, no fatalismo, no erotismo e na exibição de alguns dos seres mais patéticos já vistos no cinema.

Robinson (1893-1973) faz com perfeição o protagonista (cujo sobrenome, apropriadamente, é Cross, cruz), um pobre-diabo casado com uma pavorosa megera (Rosalind Ivan), que pinta seus quadros no banheiro para fugir da ira dela e que facilmente cai na lábia da bela prostituta (que ele não percebe do que vive) Joan Bennett (1910-90), que claramente gosta de apanhar de seu gigolô Dan Duryea (1907-68). Ninguém é bom ou compassivo no filme, não há heróis e é impossível se identificar ou mesmo sentir pena dos personagens (nem mesmo do patético pintor, que, aliás, tinha muito de autobiográfico de Lang).

Tudo o que o diretor quer mostrar é como o mal e a podridão podem ser contagiosos e impregnar tudo ao seu redor, e como, ao final, tudo será compensado com o merecido castigo. Isso é conseguido não apenas através das excelentes atuações (Joan, em especial, está a perfeita femme fatale), mas principalmente graças ao clima opressivo e claustrofóbico, com tudo estilizadamente feito em estúdio, e com ritmo perfeito que constrói a tragédia anunciada com total maestria.

Violento e franco para os padrões da época (o que, surpreendentemente, gerou poucos problemas com a censura, embora tenha sido proibido em certas cidades), é um dos grandes filmes do cinema noir e envelheceu bem. Foi um sucesso no lançamento e era sempre lembrado por Lang como um de seus melhores filmes. O filme foi produzido pela Diana Productions, em que Joan, seu marido produtor Walter Wanger e Lang eram associados. Por isso, este foi o filme americano de Lang onde teve maior autonomia. Cineclube Badesc exibe "Almas Perversas" (Scarlet Street, 1945) de Fritz Lang

Categorias: Março 2017
Deixe seu comentário!
comentários







Cinema Gratuito
Exposições


Inscrições abertas
até 25 Abril 2017 "Poéticas Diaspóricas" com minic... >> Cinema Gratuito
até 25 Abril 2017 3º Cine PET Odonto-Fono exibe filme "... >> Cinema Gratuito
até 27 Abril 2017 13ª Conferência Internacional de Diáspora ... >> Teatro / Circo
até 29 Abril 2017 Trilha Medita do Vale da Utopia da Guarda ... >> Esportes
até 30 Abril 2017 Trilha Medita da Cachoeira do Maciambu com... >> Esportes
até 10 Maio 2017 Inscrições para Oficina gratuita de Relaxa... >> Esportes
Curta nossa Fan-page
Siga-nos no Twitter
Buscar