FaceBook Twitter Google+
Início » Arquivo » Eventos de Outubro 2014
9ª edição do Sexta Jazz AF: Do Swing ao Bebop – A guitarra dos Anos 40



Quando: 03 Outubro 2014, sexta-feira, às 20h30min
Onde: Aliança Francesa Florianópolis
Endereço: Rua Visconde de Ouro Preto, 282 - Centro
Quanto: Gratuito
Evento no FB: www.facebook.com/events/350414408468826

Do Swing ao Bebop – A guitarra dos Anos 40, esse é o tema da 9ª edição do Sexta Jazz sobre os principais guitarristas do swing e do Bebop, que acontece dia 03 de outubro, às 20h30, na Aliança Francesa. A entrada é franca!

Os músicos e curadores do projeto, Paulo David (piano), Tiê Pereira (contrabaixo) e Mauro Borguezan (bateria) recebem o guitarrista, violonista, compositor, arranjador e professor de música Lucas Martinez. No repertório, quatro dos maiores guitarristas do jazz dos anos 40, Wes Montgomery, Barney Kessel, Mitchell Herbert Ellis e Charlie Christian.

O evento é viabilizado através da Lei de Incentivo à Cultura (Rouanet) e conta com o patrocínio da Tractebel Energia. Além disso, faz parte da programação de aniversário de um ano da SIC Radio.

Lucas Martinez é guitarrista, violonista, compositor, arranjador e professor de música desde 2005. Tocou em grupos de diversos estilos musicais, variando do Metal até o Jazz tradicional, passando também pelo blues, rock, e a música brasileira.

Alguns anos após aprender os primeiros acordes no violão com o pai em casa, aos 14 se interessou pelo estudo da música através da guitarra elétrica. Estudou dois anos com Denis Warren. Em 2005 ingressou o curso de Licenciatura em Música na UDESC, onde teve oportunidade de ampliar seus horizontes estudando com harmonia, contraponto e composição com Sérgio Freitas. Paralelamente, estudou guitarra Jazz e MPB com Weslley Risso, Leandro Fortes e improvisação com o pianista Luiz Gustavo Zago, além de ter feito cursos de aperfeiçoamento com grandes nomes da música brasileira como Nelson Farias, Arismar do Espírito Santo, Daniel Sá, Mario Conde, Ademir Cândido e Alessandro Krammer.

Em 2008 se mudou para a Holanda, onde morou 4 anos e se graduou Bacharel em Guitarra pelo internacionalmente conceituado CODARTS Conservatório de Rotterdam, onde estudou jazz, improvisação e composição com nomes como Ed Verhoeff, Ronald Schmitz, Maurice Rugebregt, Anna Elis de Jong, Jan Laurens Hartong e Simon Rigter. Na europa teve contato com a música das mais variadas culturas e se apresentou na Alemanha, Bélgica e Espanha, além de diversas partes da Holanda.

Em 2012, de volta ao Brasil, se estabeleceu em Florianópolis, onde participa de diversos grupos musicas e leciona guitarra, violão e improvisação.

Do Swing ao Bebop – Wes Montgomery

Até os anos 40 a guitarra (ou, anteriormente, o banjo) desempenhava uma função meramente rítmica dentro das formações jazzísticas. Isso seria mudado pelo guitarrista Charlie Christian: com ele, a guitarra passa a construir linhas melódicas, e sofisticam-se os solos. O próximo grande guitarrista de jazz seria Wes Montgomery.

Nascido em 1925 em Indiana, filho do meio de três irmãos, todos músicos, mudou-se ainda criança para Ohio. Autodidata, Wes comecou a tocar tardiamente, aos 19 anos, por influência de Charlie Christian, de quem ouvia os discos e memorizava os solos.

Seis meses mais tarde, já tocava profissionalmente. Levou algum tempo para que Wes entrasse para a cena jazzística, até que no final dos anos 40 excursiona com a banda de Lionel Hampton por dois anos, voltando depois a Indianápolis. Com seus irmãos forma o conjunto chamado Mastersounds, que inevitavelmente viria a ser conhecido como os Montgomery Brothers. Gravam alguns álbuns em Chicago e San Francisco, onde por vezes tocam com o sexteto de John Coltrane, e também no festival de Montrey.

A gravação do clássico do R&B, "Goin Out of My Head” lhe valeu um Grammy que definitivamente o lançou a um maior público. Isso também lhe possibilitou sustentar seus sete filhos, até sua morte prematura e inesperada aos 43 anos, de ataque cardíaco.

Wes Montgomery desenvolveu um estilo único de dedilhado com o polegar, bem como um modo de tocar em oitavas, que se tornariam suas marcas registadas. Um de seus declarados seguidores é George Benson.

Barney Kessel (Muskogee, Oklahoma, 17 de outubro de 1923 — 6 de maio de 2004) foi um guitarrista de jazz norte-americano. Aos dezesseis anos começou a tocar guitarra influenciado pelo estilo de Charlie Christian, seu grande ídolo. Aos dezenove anos mudou-se para Los Angeles onde rapidamente se estabeleceu entre os grandes músicos da cidade.

Em entrevista ao jornalista Jotabê Medeiros – 21 de setembro de 2008 (Estadão), Eumir Deodato citou que Barney Kessel influenciou diversos músicos da Bossa Nova, dentre os quais ele mesmo e João Gilberto. O disco que mais marcou no Brasil foi o de Barney Kessel e Julie London, publicado pela Musidisc.

Mitchell Herbert Ellis (Farmersville, Texas, 4 de agosto de 1921 – Los Angeles, 28 de Março de 2010) foi um guitarrista de jazz norte-americano.

Ellis estudou entre 1941 e 1943 na North Texas State University. Em 1943 entrou para a Casa Loma Orchestra de Glen Gray e depois ingressou na big band de Jimmy Dorsey.

Tocou até 1958 com o pianista Oscar Peterson e com a cantora Ella Fitzgerald.

Nos anos 70 era membro das Great Guitars (com Barney Kessel e Charlie Byrd) e também trabalhou com Joe Pass.

Charlie Henry Christian nasceu em Dallas, Texas em 1919 e faleceu em Nova York em 1942. Começou a se dedicar à guitarra em 1937 e dois anos depois já era contratado por Benny Goodman como membro de sua orquestra e solista de seu sexteto.

Participante ativo das jam sessions do Mintons, em Nova York, onde o bop tomava forma no início da década de 40, morreu tuberculoso aos 22 anos, reconhecido como pioneiro do bop e considerado o primeiro grande solista de guitarra no jazz.

Charlie Christian emancipou a guitarra, até então instrumento eminentemente rítmico, passando a realizar seus pequenos vôos, ainda longe em potência de som ou criatividade melódico-harmônica, com os instrumentos de sopro.

Primeiro grande guitarrista de jazz, seu sentido de tempo, não centrado exclusivamente na marcação 4/4, mas dotado de uma elasticidade surpreendente para a época. Christian anunciou em suas poucas obras, a crescente complexidade rítmica do jazz moderno, bem como suas notáveis concepções harmônicas e melódicas antecipavam a estética do bop.
9ª edição do Sexta Jazz AF: Do Swing ao Bebop – A guitarra dos Anos 40


Categorias: Outubro 2014
Deixe seu comentário!





Cinema Gratuito
Exposições


Inscrições abertas
até 19 Junho 2018 Make Music Day terá aulas gratuitas de sete modalidades na Escola de Música Rafael Bastos
até 19 Junho 2018 12ª Feira de Artes Entremostras abre inscrições
até 19 Junho 2018 Inscrições para 1.937 vagas em 49 cursos gratuitos técnicos e Proeja do IFSC
até 20 Junho 2018 Sala Verde UFSC promove atividades gratuitas


Curta nossa Fan-page
Siga-nos no Twitter


Buscar