FaceBook Instagram Twitter


Mostra de Filmes Japoneses exibe clássico de 1953 "Era uma vez em Tóquio"



Quando: 29 de novembro de 2016, às 16 horas
Onde: Espaço Físico Integrado (EFI), UFSC
Quanto: Gratuito
Informações: tel (48) 99191-5516
e-mail: gisele.orgado@gmail.com

O projeto Mostra de Filmes Japoneses dará continuidade à exibição de obras cinematográficas japonesas, com seleções que incluem desde longas de animação aos clássicos. O próximo filme a ser apresentado será "Era uma vez em Tóquio" (Tōkyō Monogatari), obra clássica lançada em 1953 pelo diretor Yasujiro Ozu. O filme ganhou diversos prêmios e é considerado pela crítica cinematográfica como um dos melhores filmes já produzidos.

A sessão será no dia 29 de novembro, terça-feira, às 16h, na UFSC, no Espaço Físico Integrado – EFI, na sala 403 (anexo aos blocos modulados do CFM), com entrada franca, e contará com comentários após a exibição.

Sobre o filme:

“Era Uma Vez em Tóquio” apresenta como tema principal o drama familiar, conduzido com uma sutileza ímpar. Yasujiro Ozu torna o melodrama não somente aceitável e real, mas o aprofunda em um nível de reflexão como poucas vezes se viu na história do cinema. O filme esteve por diversas vezes na lista dos 50 melhores filmes de todos os tempos do British Film Institute.

Pouco difundido no Brasil, o filme poderia ser tratado como uma meditação sobre o tempo ou a velhice, mas Ozu levanta questões sobre as relações humanas e aprofunda o questionamento do que seria, de fato, uma família.

Através de sua técnica peculiar com filmagens lentas, em plano de câmera baixa e quase imóvel durante as cenas, o diretor traz nas primeiras cenas um cotidiano absoluto, de um casal de idosos que vive em uma cidade do interior e resolve visitar seus filhos em Tóquio. O encontro se aprofunda em um abismo entre as gerações. Da vida rural somos conduzidos ao Japão da sua metrópole — um lugar de vazio e impessoalidade, em que todos estão sempre muito ocupados e preocupados com suas vidas particulares.

Vivendo em um Japão dos anos posteriores à derrota da guerra, há em curso um processo acelerado de ocidentalização. Antigos costumes convivem com novos, mas essa convivência não se dá de forma simétrica. A devoção pelos pais continua presente, sem dúvida, mas deve atender às conveniências de uma sociedade em rápida transformação, na qual tempo é dinheiro.

O filme ganhou uma refilmagem de Yoji Yamada em 2013, com o título de Uma Família em Tóquio (Tōkyō Kazoku), além de ter inspirado a diretora alemã Doris Dörrie, em 2008, a produzir Kirschblüten – Hanami.
Mostra de Filmes Japoneses exibe clássico de 1953 "Era uma vez em Tóquio"


Categorias: Novembro 2016
Deixe seu comentário!







Cinema Gratuito
Exposições


Inscrições abertas
até 17 Fevereiro 2020 Inscrições para oficina gratuita de Linguagens em Pintura
até 17 Fevereiro 2020 Udesc abre inscrições para aulas gratuitas de musculação


Curta nossa Fan-page
Siga-nos no Twitter


Buscar