FaceBook Twitter Google+
Início » Arquivo » Eventos de Junho 2017
Strangloscope convida Uli Ziemons para mostra de filmes no CIC



Quando: 16 e 17 de junho, às 20 horas
Onde: Centro Integrado de Cultura (CIC)
Endereço: Av. Governador Irineu Bornhausen, 5600 - Agronômica
Quanto: Gratuito

O projeto Strangloscope convida o curador de filmes, estudioso de cinema e escritor Uli Ziemons para uma nova edição da mostra, que terá, ainda, a participação de Anne Santos e Gabraz Sanna no Cinema do Centro Integrado de Cultura (CIC), nos dias 16 e 17 de junho. O evento tem o apoio do Curso de Cinema da Unisul; da Fundação Catarinense de Cultura (FCC), por meio do Museu da Imagem e do Som (MIS/SC), e parceria com o Instituto Goethe e da Secretaria de Cultura e Arte da Universidade Federal de Santa Catarina (SeCArte/UFSC). As sessões começam às 20h e têm entrada gratuita.

Programação do dia 16/06 (sexta-feira):

Ulrich Ziemons, curador do Forum Expanded, da Berlinale e pesquisador do Arsenal, de Berlim, nos trará uma curadoria de filmes e vídeos. O artista visual e professor do Curso de Cinema da Unisul, Helder Martinowsky será o projecionista das cópias em 16mm.

Programa:

C-Beams in the Dark (curadoria de Ulrich Ziemons)
Retirando seu título do monólogo de Rutger Hauer no filme de 1982, Blade Runner, o programa reúne cinco filmes experimentais que abordam questões de visibilidade, temporalidade e utopia. Através de uma ampla variedade de estratégias formais - do desempenho e da música visual à composição estrutural e narrativa ensaística - os filmes se envolvem com futuros recentes e passados, investigando os restos invisíveis das arquiteturas modernistas (Asbestos), digitalização na guerra e no cinema((I) Frame ), A evidência de arqueologias forjadas (In the future, they ate from the finest porcelain), automação e auto-otimização (Fugue) e os limites de visão (Dark Adaptation).

Filmes (duração total de 81'):

Fugue (Fuga)
Germany / Canada 2016, Kerstin Schroedinger, 8’, 16mm
Sinopse: Emoldurado por uma grade, uma figura esquiva executa uma série de movimentos, deixando vestígios de luz sobre a emulsão de filme, enquanto textos curtos são projetados na figura, obscurecidos pela superfície irregular de seu corpo. "Na música, uma fuga é definida como uma técnica composicional contrapontística em duas ou mais vozes. Baseia-se em um motivo que é introduzido no início em imitação e recorre freqüentemente no decurso da composição. A fuga é um experimento formal e físico para entender a relação entre imagem, som e movimento. Os movimentos e o cenário são informados por estudos de movimento que foram conduzidos e filmados no início do século XX com o objetivo de usar o filme para analisar os movimentos do trabalho manual mecanizado, bem como conceitos de biomecânica que elaboram a relação entre corpo e mente Como uma forma de treinamento do ator. Na película, os movimentos que são gravados também são impressos na parte da tira de filme que é lida como som óptico pelo sensor sensível à luz do projetor. O que você ouve é o que você vê. A imagem recorre como movimento e o movimento recorre como som", Kerstin Schroedinger

Asbestos (Asbestos)
UK 2017, Sasha Litvintseva/Graeme Arnfield, 20’, Digital
Sinopse: Minado, extraído, e tecido, o amianto era o mineral mágico. As cidades transformaram-se cidades sob seu patrocínio, os reis persas entretinham seus convidados com sua natureza ignea, e séculos de indústria se regozijaram nos lucros de sua aplicação global. Vivemos agora os restos desse sonho tóxico, um sonho que com a invenção dos microscópios eletrônicos revelou nossa história material como um desastre na espera. No entanto, a indústria do amianto está ainda longe de nos deixar, está presente no nosso solo e em nossas paredes. Estamos agora confrontados com duas opções: remover este material de nossas casas e começar de novo, ou construir sobre o seu resíduo. A remoção é uma operação perigosa e dispendiosa. Tantas vezes escolhemos viver rodeados de amianto ao invéz de sufocar nossas paredes com tarpagem plástica: as promessas vãs do modernismo literalmente enterradas ao nosso redor. Filmado no município mineiro de Asbestos, Quebec, lar da maior mina de amianto do mundo que só parou de extrair em 2012, o filme é uma meditação sobre o emaranhamento da fragilidade dos corpos, a não-linearidade do progresso ea persistência da matéria.

Dark Adaptation (Adaptação Dark)
Canada 2016, Chris Gehman, 14’, Digital
Sinopse: Dark Adaptation estende a exploração de técnicas ópticas experimentais iniciadas por Chris Gehman em Refraction Series (2008). Trabalhando com materiais simples e cotidianos, Gehman produz imagens ricas e surpreendentes de cor prismática pura em movimento. Enraizados nas experiências científicas e nos escritos de Ibn al-Haytham e Isaac Newton, estes filmes aplicam fenômenos óticos familiares à vida cotidiana - como interferência de filme fino, divisão cromática e refração através do vidro - ao cinema. Os resultados dos experimentos de Gehman no estúdio são estruturados como uma forma de música visual, complementada por uma paisagem sonora composta pelo músico e compositor Graham Stewart. O título do filme refere-se à adaptação do olho humano às condições de escuridão, tornando-se mais sensível a baixos níveis de luz. Trabalhando em um estúdio escuro com uma única fonte de luz e filmando em filme de reversão de 16mm, Gehman explora fenômenos visuais na borda da perceptibilidade, criando análogos para imagens experimentadas com os olhos fechados. O filme propõe que poderosas imagens podem ser geradas pelos próprios sistemas do corpo; Neste sentido, Dark Adaptation representa uma viagem interior épica.

(I) Frame (I Frame)
USA 2016, Karissa Hahn/Andrew Kim, 10’, Digital
Sinopse: É um balé mecânico definido para o tempo original que caracteriza o movimento na tela em 24 (I) frames um segundo ...

In the future, they ate from the finest porcelain (No futuro, eles comiam da mais fina porcelana)
Territórios Palestinianos / Dinamarca / Reino Unido / Catar 2015, 29 ', Digital
Sinopse: Numa reviravolta temporal, como sugere o seu título, o filme conta a história de uma intervenção na percepção futura da história política de um território. Um auto-proclamado grupo de resistência narrativa faz depósitos subterrâneos de porcelana elaborada - sugerida a pertencer a uma civilização inteiramente fictícia. Seu objetivo é influenciar a história e apoiar reivindicações futuras para suas terras desaparecendo. Uma vez desenterrada, a louça vai provar a existência deste povo falsificado. Ao implementar um mito próprio, seu trabalho se torna uma intervenção histórica - criando de fato uma nação. O filme toma a forma de um ensaio em vídeo fictício, combinando movimento ao vivo e CGI, e utilizando motes de arqueologia, política e ficção científica. Uma voz-over baseada em uma entrevista entre um psiquiatra e o líder do grupo de resistência narrativa sobre seus pensamentos sobre mito e ficção como constitutiva de fato, história e documentário revela a filosofia e idéias por trás das ações do grupo.

Sobre Ulrich Ziemons
Ulrich Ziemons é curador de filmes, estudioso de cinema e escritor baseado em Berlim. Ele é um dos co-curadores do Fórum Expanded programa no Festival Internacional de Cinema de Berlim. Foi curador de programas de cinema e exposições para a Kochi Muziris Biennale 2016, Museu Nacional de Arte Moderna e Contemporânea, Seul, Arsenal - Instituto de Cinema e Vídeo Art, KW - Instituto de Arte Contemporânea e da 6 ª Bienal de Berlim. Desde 2014, ele é membro do comitê de seleção de curtas-metragens de Dokfest Kassel. Ele ministrou aulas e workshops na Academia de Artes Dramáticas de Estocolmo, na Universidade de Arte de Braunschweig e na Universidade de Potsdam. Em 2014, foi publicado o seu livro "Aufzeichnungen eines Storm Squatters", a primeira monografia em língua alemã sobre o cineasta norte-americano George Kuchar e sua influente série de "Weather Diary".

Programação do dia 17/06 (sábado):

Mais cinema experimental com as pré-estréias de Leopard Man Study, um curta que o Duo Stangloscope fez em Belgrado, e o novo longa de Anne Santos e Gabraz Sanna, Eu sou o Rio. Gabraz é curador da MFL-Mostra do Filme Livre e os dois realizadores estarão aqui para estreia e debate do filme.

Filmes:

Leopard Man Study
Belgrado/ Florianópolis/ 7min/ 2017
Direção, concepção, direção e realização: Duo Strangloscope
Música: Milana Zaric & Richard Barrett
Elenco: Milana Zaric
Produtor: Milan Milosavljevic
Produzido por Dom Kulture Studentski Grad & Duo Strangloscope
Sinopse: A metamorfose de humano para animal já não simboliza um retorno à natureza selvagem. É impossível a volta a um paraíso natural fantasiado pelo pensamento humano. O ser humano é seu próprio predador.

Eu sou o Rio
Rio de Janeiro/ 73 min / 2017
Direção: Anne Santos e Gabraz Sanna
Sinopse:
Mon Tante Tantan
Como tambor torto de circo
Qual o trapezista Lula
Flambante no vai lá
E com elegância cai
Salvo pelas cordas
Novamente voa e no subir
No descer é amparado decaído
Tanto faz se nas nuvens ou no chão
(Guilherme Zarvos)

Sobre Duo Strangloscope
Cláudia Cárdenas e Rafael Schilchting integram o Duo Strangloscope. Os vídeos e filmes do Duo estão voltados inteiramente para a experimentação, ou seja, para a pesquisa do movimento, do ritmo e da composição com imagens e sons. O trabalho da dupla está atravessado por ambiguidades conscientes, encorajando interpretações múltiplas e utilizando técnicas e temas paradoxais para criarmos um trabalho que requer participação ativa da plateia. Os filmes experimentais são filmes que ultrapassam os limites da produção convencional de filmes. O aspecto experimental do nosso trabalho poderia residir desde o modo como utilizamos novas e diferentes formas de trabalhar com a câmera, utilizando diferentes tipos de iluminação, diferentes efeitos de áudio, performando ou até mesmo atuando. P Duo Strangloscope começou a desenvolver seus próprios filmes experimentais por causa do interesse em trabalhar com formas digitais, tentando dar-lhes alguma textura, aumentando o uso de pixels, ampliando as imagens em sua própria materialidade digital e, em seguida, misturando digital com filmes, a fim de criar uma pele mutante.

Sobre Anne Santos e Gabraz Sanna
Anne e Gabraz vêm trabalhando junto há alguns anos, tendo realizado filmes experimentais e documentários exibidos em diversos eventos como a Berlinale, o Festival de Curtas de Clermont Ferrand, além de festivais nacionais como a Mostra de Tiradentes, o Kinoforum, a Semana dos Realizadores, o Curta Cinema e o Cine Esquema Novo, dentre outros. Ano passado receberam alguns prêmios com os filmes Interlúdio e Ruína, que tiveram pré-estréia nacional em Florianópolis durante a mostra Strangloscope. É a segunda vez que assinam em dupla a autoria de um filme, a primeira de um longa-metragem. Eu sou o Rio acompanha um fim de semana na vida de Tantão, músico e artista plástico icônico do underground carioca desde os anos 80, quando fundou a Black Future. Marcas que nunca mais conseguiremos apagar... Strangloscope convida Uli Ziemons para mostra de filmes no CIC

Categorias: Junho 2017
Deixe seu comentário!
comentários







Cinema Gratuito
Exposições


Inscrições abertas
até 19 Agosto 2017 Beer Weekend com palestra, food trucks, ce... >> Especiais / Outros
até 19 Agosto 2017 Tour Gratuito Côza Nossa - Coqueiros Histó... >> Especiais / Outros
até 21 Agosto 2017 Projeto Museus Virtuais terá 22 sessões gr... >> Exposições
até 21 Agosto 2017 Inscrições para cursos gratuitos de flauta... >> Música
até 30 Agosto 2017 Workshops do Prêmio Desterro – 8° Festival... >> Dança
até 30 Agosto 2017 Inscrições para oficina gratuita de Inicia... >> Educação / Cursos
Curta nossa Fan-page
Siga-nos no Twitter
Buscar