FaceBook Instagram Twitter


Ceart Aberto à Comunidade terá mais de 30 atividades gratuitas temáticas da cultura japonesa



Quando: 10 Agosto 2019, sábado, das 10h às 19h
Onde: Centro de Artes (Ceart), Udesc
Endereço: Av. Madre Benvenuta, 1907 - Itacorubi
Quanto: Gratuito
Evento no FB: www.facebook.com/events/424623041644436

A cultura japonesa será tema da próxima edição do evento “Ceart Aberto à Comunidade”, em 10 de agosto, sábado, no Centro de Artes (Ceart) da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). Com mais de 30 atividades gratuitas, esta edição especial "Bon Odori – Pela Vida, pela Paz, Hiroshima Nunca Mais!" reunirá uma programação para adultos e crianças no campus do Itacorubi, em Florianópolis, das 10h às 18h.

Entre as atividades, palestra sobre o significado das estampas dos quimonos e diversas oficinas temáticas (shuji– caligrafia japonesa; ikebana – arranjos florais; taiko – tambores japoneses; furoshiki – embrulho japonês; bordados sashiko e borocomo; formas de vestir quimono; encadernação manual e costura japonesa; respiração e equilíbrio mente-corpo).

Haverá um espaço zen especialmente montado no deck da Udesc Ceart com aplicação de quick massagem e reiki. E nesta edição do evento, o Espaço Criança desenvolverá atividades lúdicas relacionadas à cultura japonesa – oficina de origami, confecção de esculturas em papel e oficina de mangá.

Cerimônia zen budista, cerimônia do chá e outras atividades artísticas também integram a programação, como apresentação musical de taiko, escrita de nomes em japonês, apresentação de dança Bon Odori e apresentações teatrais. Exposições, feiras de culinária, arte, moda e artesanato da cultura japonesa completam a programação do evento.

O evento “Ceart Aberto à Comunidade” ocorre no último sábado de cada mês e é organizado pelo programa de extensão Ceart Vivo!, coordenado pela Direção de Extensão da Udesc Ceart. Esta edição conta com realização conjunta do grupo Nipocultura e apoio da Fundação Japão em São Paulo.

Bon Odori – Pela Vida, pela Paz, Hiroshima Nunca Mais!

Bon Odori (em japonês: em japonês O-bon [お盆] ou simplesmente Bon [盆]) é um festival que ocorre anualmente durante o verão, sempre após o pôr do sol, pois prevalece a crença de que os esp íritos somente saem durante a noite. O Bon Odori é um festival de tradição budista que tem as suas origens na China e no qual celebram-se as almas dos antepassados com danças em grupo e levando-se lanternas acesas saudosamente lembrando da sabedoria dos antepassados.

Apesar de análogo ao dia dos finados, durante o Bon são tocadas músicas tradicionais alegres e, sobretudo, predomina um clima de jovialidade, gratidão e participação geral. Muitas famílias aproveitam a oportunidade para se reencontrarem durante o Bon, voltando das grandes cidades aos seus lugares de origem.

PROGRAMAÇÃO DA EDIÇÃO DE AGOSTO

PALESTRA

O significado das estampas dos Quimonos
Sinopse: As estampas dos quimonos revelam as estações do ano, a classe social, o gênero, a ocasião. Nada na estampa é por acaso.
Horário: 10h
Local: Auditório do Bloco Amarelo (BAM) da Udesc Ceart.
Público-alvo: Acadêmicos, pessoas ligadas à moda, simpatizantes da cultura japonesa
Ministrante: Chizuru Shimizu é bacharel em Alimentação e Nutrição pela Universidade de Gunma, foi membro da equipe para difusão de melhoramento de vida na Província de Saitama; possui qualificação federal de técnico especializado e hábitos alimentares pelo Ministério da Agricultura, Florestas e Pesca do Japão.

OFICINAS

Jogos de Tabuleiro
Sinopse: Nesta atividade a Taberna dos Heróis apresenta os jogos de tabuleiro como uma forma de diversão social para amigos e familiares, independente de características ou particularidades, onde todos estão aptos em se integrarem e participarem de momentos de diversão lúdica.
Horário: 13h30 às 17h
Local: Entrada da Udesc Ceart
Público-alvo: A partir dos 7 anos de idade
Vagas: Conforme disponibilidade de mesa no momento
Necessidades dos participantes: Eventualmente celular ou bloco de notas para marcação de pontuação, se desejar
Ministrante: Fernando Artur Mariano e Felipe Artur Mariano. Os irmãos possuem amplo conhecimento em diversas mecânicas de jogos de tabuleiro e RPG, sendo capazes de instruir e aconselhar s obre regras e mecânicas para melhor aproveitamento do que será jogado.

Shuji
Sinopse: É a caligrafia pura ensinada nas escolas primárias. Nesta oficina serão abordadas as três escritas japonesas: katakana, hiragana e kanji e cada participante escreverá seu próprio nome em silabário japonês.
Horário: 14h às 15h
Local: Sala Teatro Educação - Departamento de Artes Cênicas (DAC) da Udesc Ceart
Público-alvo: A partir de 7 anos
Vagas: 20. Inscrições no local a partir de 1h antes do início da atividade
Necessidades dos participantes: Papel, pincel e tinta (serão fornecidos pela organização evento)
Ministrante: Iochihiko Kaneoya é formado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP) e pesquisador da cultura japonesa. Escreveu artigos sobre diversos temas da cultura japonesa, incluindo “O Futuro da Escrita Ideogramática”, “O Ideograma como Linguagem”, “A civilização que inventou o Ideograma”, “O ideograma e a língua japonesa”, entre outros.

Ikebana
Sinopse: Ikebana ou Kado é a arte do arranjo floral. Em contraste com a forma decorativa de arranjos florais que prevalece nos países ocidentais, o arranjo floral japonês cria uma harmonia de construção linear, ritmo e cor. Enquanto que os ocidentais tendem a pôr ênfase na quantidade e no colorido das cores, os japoneses enfatizam os aspectos lineares do arranjo. A estrutura de um arranjo floral japonês está baseada em três pontos principais que simbolizam o céu, a terra e o ser humano.
Horário: 14h às 15h
Local: Sala de Cenografia - Departamento de Artes Cênicas (DAC) da Udesc Ceart
Público-alvo: Adulto
Vagas: 8. Inscrições no local a partir de 1h antes do início da atividade
Necessidades dos participantes: Tesouras, vasos para ikebana, kenzan, flores, galhos, folhagens (serão fornecido pela organização do evento)
Ministrante: Francisca Sato Kumada formou-se pela Escola de Ikebana Ohara Ryu no Japão em 1992. Participa nos eventos da Associação Nipo Catarinense com workshops, decoração de festas e casamentos.

Como vestir Yukata
Sinopse: Y ukata é uma vestimenta japonesa de verão, é uma forma casual de quimono usada por homens, mulheres ou crianças, normalmente feita de tecido de algodão ou tecido sintético. Ela normalmente é amarrada ao corpo através de um obi (cinto feito de tecido).
Horário: 14h às 15h
Local: Sala Básica 1 - Bloco Amarelo (BAM) da Udesc Ceart
Público-alvo: Livre
Inscrições: No local a partir de 1h antes do início da atividade
Ministrante: Chizuru Shimizu é Bacharel em Alimentação e Nutrição pela Universidade de Gunma, foi membro da equipe para difusão de melhoramento de vida na Província de Saitama; possui qualificação federal de técnico especializado e hábitos alimentares pelo Ministério da Agricultura, Florestas e Pesca do Japão.

Encadernação Manual - Costura Correntinha e Costura Japonesa Asa-no-ha Toji
Sinopse: A proposta dessa oficina é ensinar dois modelos básicos de encadernação: costura correntinha, que permite uma abertura total do caderno, perfeita para encadernar pequenos volumes como revistas e pequenos livros e, também, será ensinado um modelo da costura japonesa, ideal para folhas soltas. A oficina parte do princípio que entender a construção desses objetos se faz necessária como forma de pensar suas diversas aplicações em projetos técnicos, artísticos, etc, assim como para entender outras costuras.
Horário: 14h30 às 16h
Local: Sala Básica 2 - Bloco Amarelo da Udesc Ceart
Público-alvo: A partir de 14 anos
Vagas: 10. Inscrições no local a partir de 1h antes do início da atividade
Necessidades dos participantes: Estilete com lâmina nova, lápis ou lapiseira, régua de metal
Ministrante: Joana Amarante é artista visual e professora de encadernação. Mestre em Teoria e História das Artes Visuais pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais na Universidade do Estado de Santa Catarina (PPGAVUdesc) e graduada em Licenciatura em Artes Plásticas pela mesma instituição. Atua no ensino de encadernação manual desde 2011, dando cursos em loja de papéis e em seu ateliê.

Aprendendo a respirar: equilíbrio mente-corpo
Sinopse: O estresse provoca alte rações psicofisiológicas no corpo e a oficina propõe que os participantes sejam mais saudáveis aprendendo a controlar sua respiração através do biofeedback cardiorrespiratório (VFC Biofeedback) para reduzir as respostas desnecessárias ao estresse em seu corpo.
Horário: 14h30 às 15h30 e das 15h30 às 16h30
Local: Deck da Udesc Ceart
Público-alvo: 12 a 17 anos
Vagas: 10. Inscrições no local a partir de 1h antes do início da atividade
Ministrante: Emilio Takase possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina, mestrado e doutorado em Psicologia (Psicologia Experimental) pela Universidade de São Paulo. Atualmente é professor da UFSC. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia do Esporte e Exercício e Psicologia Cognitiva, atuando principalmente com enfoque na Neurcociência Cognitiva. Os temas das pesquisas em PsicoNeuroFisiologia: psicologia do esporte e exercício, cognição, ansiedade, desempenho cognitivo, funções executivas.

Taiko
Sinopse: Taiko (tambor japonês) é um instrumento de percussão.
Horário: 15h às 15h30
Local: Espaço 1 - Departamento de Artes Cências (DAC) da Udesc Ceart
Público-alvo: Público geral
Vagas: 20. Inscrições no local a partir de 1h antes do início da atividade
Ministrante: Shimadaiko é o grupo de taiko – tambores japoneses – de Florianópolis. Com início em 2005, já se apresentou diversas vezes em vários lugares da ilha, como e em outras cidades, como Itajaí e Blumenau. O nome do grupo, Shimadaiko, significa justamente ‘taiko da ilha’. Nas músicas os tambores são tocados de maneiras e posturas diferentes, pois o taiko é uma arte audiovisual, onde os movimentos contam para compor a beleza da apresentação, enquanto o som forte fala ao coração.

Furoshiki
Sinopse: É a arte de embrulhar em tecido. Uma tradição japonesa que surge na Era Edo para levar roupas para os banhos públicos (ofurô). Na última década esta tradição ganha força com o conceito de sustentabilidade, substituindo sacolas plásticas e embalando presentes. Uma arte tradicional e centenária japonesa - com um tecido quadrado, é possível embalar qualquer coisa, de um livro até engradados de bebidas, além de fazer bolsas para levar à praia, mercado ou passeios variados.
Horário: 15h às 15h40
Local: Sala de Cenografia - Departamento de Artes Cênicas (DAC) da Udesc Ceart
Público-alvo: A partir de 12 anos
Vagas: 15. Inscrições no local a partir de 1h antes do início da atividade
Necessidades dos participantes: Tecidos quadrados (serão fornecidos pela organização do evento)
Ministrante: Hisae Yagura Kaneoya é formada em Publicidade e Propaganda pela Faculdades Integradas Alcântara Machado e em Biblioteconomia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). Administra o Nipocultura de 2008 até a presente data. Foi Diretora Cultural da Associação Nipo-Catarinense de 2004 a 2008; Secretária da Federação das Associações Nikkeys de Santa Catarina (Fansc) de 2008 a 2010 e de 2014 a 2018.

Bordados Sashiko e Boro
Sinopse: Sashiko é uma forma de costurar camadas de tecidos, tradicionalmente utilizados para reforçar roupas de agricultores e pescadores. De maneira geral era usado o tecido na cor azul escuro ou índigo, por ser acessível à população de baixa renda. Esta técnica passou de geração em geração como um trabalho manual do cotidiano. Hoje, tornou-se uma técnica com valor estético.
Horário: 16h às 17h
Local: Sala Básica 2 (BAM)
Público-alvo: A partir de 12 anos
Vagas: 15. Inscrições no local a partir de 1h antes do início da atividade
Necessidades dos participantes: Será fornecido 1 kit de bordado sashiko. Em contrapartida, a oficina solicita a doação de calça jeans fora de uso ou qualquer objeto que, dentro de casa não tenha mais utilidade, mas que poderá ser útil para alguém.
Ministrantes: Marisa Inumaru Mallmann, Eneida Soares de Macedo e Silvana Becker

Bon Odori
Sinopse: Originalmente, as danças de roda japonesas são chamadas de Bon Odori. Bon da palavra “Obon”, que é o equivalente ao nosso “Finados”, Odori, que significa dança. Essas danças, em geral, são oferecidas no mês de agosto, quando se celebra o “Obon”. É momento de volta para sua terra natal, celebrar e agradecer os antepassados pela vida. Através deste ritual, acredita-se no retorno do espírito dos antepassados para suas casas, como uma oportunidade de reencontro e ao final desta celebração, é feito um ritual de despedida para que os espíritos voltem para seu lugar de descanso. No Brasil, o país com o maior número de japoneses fora do Japão, estas manifestações acontecem em todos os eventos ligados à cultura japonesa, independente da época do ano. A intenção é celebrar juntos.
Horário: 16h às 17h
Local: Entrada da Udesc Ceart
Público-alvo: Todos os interessados
Ministrantes: Eliane Mizumoto Fujita atuou com Danças Circulares, em Curitiba, por 10 anos, onde desenvolveu trabalhos ligados à Dança Circular de vários povos. Shimadaiko é o grupo de taiko – tambores japoneses – de Florianópolis. Com início em 2005, já se apresentou diversas vezes em vários lugares da ilha, como e em outras cidades, como Itajaí e Blumenau.

ESPAÇO CRIANÇA

Oficina de Origami
Origami (ori - dobrar e kami - papel) é a arte japonesa de se dobrar o papel. Segundo alguns estudiosos do origami, o costume de dobrar papéis é tão antigo quanto o surgimento do papel na China, há aproximadamente 1800 anos. No Japão, o papel foi introduzido entre os séculos V e VI por monges budistas chineses E era considerado um artigo de luxo. Desta forma, no início a arte do origami era executada apenas pela nobreza. No período Edo (1600-1867)a prática se estendeu às mulheres e crianças e a partir de então foi incluída como matéria escolar. O origami exercita a paciência, a humildade, a simplicidade, a dedicação e a habilidade manual e intelectual. Como em toda arte japonesa, a dobradura tem que ser única, decisiva. Se errarmos, como na vida, o vinco ficará para sempre. A prática desta arte nos ensina a vivenciar intensamente cada ato, a valorizar o momento, a ter controle sobre si mesmo.
Horário: 13h30 às 16h
Local: Tenda na Entrada do CEART
Público-alvo: a partir de 5 anos
Necessidades dos participantes: papel, cola, tesoura (serão fornecido pela organização do evento)
Ministrantes: Yuina Takase Baba formou-se em 2009 em Design de jogos e entretenimento digital e Guilherme Beraldo Pizza cursa ilustração e é voluntário ministrando oficina de origami e expondo suas peças desde 2015.

Confecção de esculturas em papel - dragões voadores, ikebanas, kirigamis
Kirigami é a arte tradicional japonesa de recorte de papel. Com essa técnica é possível criar representações de objetos dos mais variados.
Nesta oficina aplicaremos essa técnica em 3 modalidades tradicionais: dragões voadores (Koinobori é um costume do povo japonês de comemorar o Dia dos Meninos no dia cinco de maio hasteando birutas em forma de carpa), ikebanas (arte de montar arranjos de flores, com base em regras e simbolismo preestabelecidos), Kirigami escultural (técnicas variadas).
Horário: 13h30 às 16h
Local: Tenda na Entrada do CEART
Público-alvo: à partir de 8 anos ou acompanhados pelos pais
Ministrante: Demetrius Sorgon atuou na capacitação dos agentes comunitários, no trato da saúde mental e da arte terapia. A Equipe de Arte Terapia do Serviço de Saúde Mental mantinha treinamento e capacitação continuada de seus participantes. Dentre as oficinas de arte terapia o Kirigami foi parte da formação da equipe e tornou-se uma das oficinas mais praticadas nas atividades terapêuticas. Desde então não deixou de praticar essa arte ampliando o repertório e aperfeiçoando a técnica. Ministrando oficinas em escolas e centros culturais. Durante os últimos 12 anos o Kirigami fez parte do repertório das oficinas de arte educação, educação ambiental e formação continuada na rede pública e privada.

Oficina de desenho em quadrinhos (Mangá)
Horário: 13h30 às 16h
Local: Tenda na Entrada do CEART
Público-alvo: crianças de 05 a 13 anos
Necessidades dos participantes: folha, lápis, borracha (serão fornecido pela organização do evento)
Ministrantes: Saulo Satoshi Botomé (formado em Design Gráfico pela Udesc, professor de mangá de 2009-2015) e William de França Benitez e Allison Thomé (formados no curso de desenho mangá pela Associação Nipo-Catarinense)

ESPAÇO ZEN

Quick Massage
Massagem rápida /expressa como também é conhecida é uma técnica de massagem derivada das técnicas orientais Shiatsu e Anmá
Horário: 12h às 18h
Local:Deck do CEART
Ministrante: Lucy Sakuraba

Reiki
É uma terapia japonesa capaz de revitalizar o corpo, podendo aliviar dor crônica, ansiedade e insônia.
Horário: 12h às 18h
Local: Deck do CEART
Ministrante: Francisca Sato Kumada e equipe

APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS

Cerimônia Zen Budista
Com Monge Tokushi do Jizen-ji Comunidade Zen Budista do Sul da Ilha
Cerimônia para os familiares e antepassados.
Horário: 14h
Local: Deck do CEART
Classificação Indicativa: Livre

Taiko
Taiko (tambor japonês) é um instrumento de percussão.
Horário: 14h30
Local: Espaço 1(DAC)
Classificação Indicativa: Livre
Shimadaiko é o grupo de taiko – tambores japoneses – de Florianópolis. Com início em Agosto de 2005, já se apresentou diversas vezes em vários lugares da ilha, como e em outras cidades, como Itajaí e Blumenau. O grupo Shimadaiko, cujo nome significa justamente ‘taiko da ilha’. Nas músicas os tambores são tocados de maneiras e posturas diferentes, pois o taiko é uma arte audiovisual, onde os movimentos contam para compor a beleza da apresentação, enquanto o som forte fala ao coração.

Escreva seu nome em Japonês
Iochihiko Kaneoya estará no Hall do Bloco Amarelo para escrever o seu nome em japonês.
Horário: 15h
Local: Hall do Bloco Amarelo(BAM)
Classificação Indicativa: Livre
Iochihiko Kaneoya é formado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP) e pesquisador da cultura japonesa.

Cerimônia do Chá
Com Teresa Sell, Marilene Pereira e Ethna Thaise
É uma atividade tradicional japonesa que teve origem entre monges budistas que costumavam tomá-lo durante as meditações. O tempo popularizou a atividade tornando-a arte independente. Consome-se o chá verde em pó pulverizado (matcha) que é preparado e servido aos convidados pelo mestre da cerimônia. A degustação do matcha foi introduzido no final do século XII pelo monge Eisai. Nessa altura, o chá era uma bebida preciosa que era também usada para fins medicinais. O costume de beber matcha difundiu-se entre os sacerdotes dos Templos Budistas e as classes superiores. No século XVI, durante o período Momoyama, o costume alcançou outros grupos da sociedade japonesa. A cerimônia do chá é conhecida como chanoyu - que significa “água quente para chá”, também é conhecido como chadô ou sadô - que significa “o caminho do chá”.
Horário: 15h
Local: Deck do CEART
Classificação Indicativa: Livre

Mukashi Mukashi...O Teatro de Papel
Com Cia. Caravana do Sonhar (SBS)
Num mini palco de madeira, na garupa do Japão, a Cia. Caravana vem trazendo sobre rodas, uma antiga tradição... O kamishibai! Com histórias milenares de haikais e origamis, rouxinóis e samurais, e dragões celestiais...
Era uma vez... duas lendas ancestrais de um Japão que não existe mais: “Tsuru no Ongaeshi”, o pássaro do poente, história que fala de um sentimento raro e sagrado, a gratidão; e a lenda de "Kaguya Hime", a princesa da capital da Lua, encontrada quando bebê dentro do caule de um bambu brilhante.
Horário: 16h
Duração: 40 minutos
Local: Espaço 2 (DAC)
Classificação Indicativa: Livre
Criada em 2008, a Cia. Caravana é formada pela atriz, produtora cultural e contadora de histórias Alessandra Nascimento, o ilustrador e designer Milton Hurpia da Rocha, contrarregra Rudinei de Sousa e a jornalista e produtora cultural Jaqueline Dias. Desde sua criação o grupo se dedica ao teatro e a arte de contar histórias.
Desde 2011, a Cia. Caravana mantém pesquisas sobre a cultura japonesa, mais especificamente, sobre os mukashi banashi (contos e lendas japoneses), através dos quais chegou ao Kamishibai (Kami = papel, Shibai = Teatro).

A Fantástica Exposição de Zeca
Com Trupe da Alegria
Na exposição de livros do Vô Zeca, em um dia de cada ano, os personagens ganham vida. Bia, a neta que não quer mais ler, é surpreendida por histórias de todos os cantos do mundo. A abertura de um livro proibido, entretanto, pode mudar o rumo dessa história e fazer com que os personagens fiquem presos no mundo real.
Horário: 17h
Duração: 50 minutos
Local: Espaço 1(DAC)
Classificação Indicativa: Livre
A Trupe da Alegria é um grupo teatral formado por profissionais da Educação Infantil do município de Florianópolis (SC) e dirigido pelo professor de teatro Diego de Medeiros Pereira da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), que com suas atividades de formação continuada e apresentação de espetáculos, é uma ação de extensão do “Programa Teatro e Infâncias” coordenado pelo Prof. Diego. Desde sua fundação, em 2010, o grupo elaborou e apresentou 5 espetáculos voltados ao público infantil, apresentando-se para mais de 10.000 crianças, em cerca de 60 Núcleos de Educação Infantil do município de Florianópolis. A Trupe é composta, atualmente, por 19 profissionais da Educação Infantil e tem como intuito realizar uma formação de público a partir de trabalhos artísticos voltados ao universo das crianças ao mesmo tempo em que aborda questões pedagógicas advindas do contexto em que as participantes da Trupe atuam.

Bon Odori,com Eliane Mizumoto, grupo Himawari e grupo Shimadaiko
Horário: 18h
Local: Entrada do CEART
Classificação Indicativa: Livre
Eliane Mizumoto Fujita atuou no Giraflor Danças Circulares, em Curitiba, por 10 anos, onde desenvolveu trabalhos ligados à Dança Circular de vários povos.
Shimadaiko (cujo nome significa justamente ‘taiko da ilha’) é o grupo de taiko – tambores japoneses – de Florianópolis. Com início em Agosto de 2005, já se apresentou diversas vezes em vários lugares da ilha, como e em outras cidades, como Itajaí e Blumenau.
O Grupo Himawari foi criado em março de 2019 à partir da vontade de Chie Mori em formar um grupo de dança japonesa em Florianópolis. Nasceu assim o Encontro com a Dança Japonesa que acontece todas as quintas feiras das 9:30 às 10:30 na Escola Livre de Artes.

EXPOSIÇÕES

Mottainai - Bordados Sashiko
Originalmente a palavra vem de mutai (無体), algo que não tem a forma que deveria ter, disforme, inadequada. Literalmente significa sem corpo, sem forma, imaterial, conceito utilizado pela doutrina budista da impermanência (tudo se transforma, nada é permanente, nenhum corpo é permanente). Essa ideia da imaterialidade coube também no panteísmo xintoísta cujas divindades não têm corpo material, são espíritos (os deuses estão em toda parte: habitam os mares, as florestas, os campos, os lares). No Período Muromachi (1336-1573) transformou-se em mottai, significando lamentável, não desejável, não bem-vindo. Mais tarde assumiu sua forma atual: mottainai. Indica desperdício, descarte de recursos ainda úteis, ou desproporção entre o recurso empregado, maior do que a necessidade.
Horário:12h às 19h
Local: Hall de Entrada do CEART
Classificação Indicativa: Livre

A Lenda dos Mil Tsurus, de grupo Amigos do Origami
Tsuru é uma ave, espécie da família dos grous (cegonhas), nativa do Japão.
Ninguém sabe desde quando existia uma lenda no Japão segundo a qual, aquele que fizesse mil tsurus de origami teria um pedido atendido pelos deuses.
Horário:12h às 19h
Local: Hall do Bloco Amarelo(BAM)
Classificação Indicativa: Livre
Curadoria: Marlene Torrinelli

Shichigo San e brinquedo das crianças japonesas
Shichigosan (七五三) significa : Shichi (sete), Go (cinco) e San (três) e é o nome dado a um festival japonês comemorado por crianças que no ano em vigor completam 7, 5 e 3 anos. A data oficial é 15 de novembro.
Este festival para as crianças, remonta ao Período Heian no Japão (794-1185). O evento tem algumas raízes muito tradicionais e rituais que são associados com os costumes da sociedade japonesa em diferentes momentos da história.
No Japão, a comemoração é comunitária e em idades específicas. O porquê dessas idades? Bom, os japoneses são superstições em relação aos números e portanto eles acreditam, que nessas idades, as crianças ficam mais suscetíveis à todo tipo de infortúnio como problemas de saúde e riscos de morte.
Segundo a tradição, levar as crianças com essas idades aos templos para participarem da cerimônia fará com que elas ganhem proteção, saúde e sorte na vida.
Horário:12h às 19h
Local: Hall do Bloco Amarelo(BAM)
Classificação Indicativa: livre
Curadoria: Marlene Torrinelli

Quimonos das 4 estações
Exposição para compreensão da palestra de Chizuru Shimizu sobre o significado das estampas dos quimonos.
Horário: 12h às 19h
Local: Hall do Bloco Amarelo(BAM)
Classificação Indicativa: Livre
Curadoria: Marlene Torrinelli

Um Toque de Fogo, de Marina Takase
Horário: 12h às 19h
Local: Hall da Reitoria da UDESC
Classificação Indicativa: livre
Curadoria: Rosana Bortolin

FEIRAS

Feira da Culinária Japonesa
Horário: 12h às 18h
Local: Deck do CEART

Feira de Artesanato e Produtos Orientais
Horário: 12h às 18h
Local: Deck do CEART

Feira de Alimentos Orgânicos
Horário: 12h às 18h
Local: Deck do CEART

PROGRAMAÇÃO EXTRA

MOSTRA DE FILMES JAPONESES

15 de agosto
Túmulo dos Vagalumes, anime de Isao Takahata
Um dos filmes mais assistidos no Japão, Túmulo dos Vagalumes narra a história de dois irmãos que perdem tudo durante a Segunda Guerra Mundial. Este filme conta o outro lado da Guerra, sendo considerado um clássico.
Horário: 17h
Local: Auditório do Bloco Amarelo (BAM)
Duração: 93 minutos
Logo após o filme bate papo com Iochihiko Kaneoya sobre a Recuperação do Japão após desastres.

16 de agosto
Rapsódia em Agosto, filme de Akira Kurosawa
Senhora japonesa de Nagasaki, marcada pelas lembranças da bomba, recebe sobrinho nipo-americano, filho de um irmão que foi para o Havaí depois da guerra. Seus netos ficam fascinados pelo moço, mas ele desperta sentimentos incômodos nela.
Horário: 17h
Local: Auditório do Bloco Amarelo (BAM)
Duração: 1h38
Logo após o filme haverá um bate papo com Iochihiko Kaneoya sobre a Religiosidade do Povo Japonês.

DISPONIBILIZAÇÃO DE SALAS PARA ESTUDOS E ENSAIOS

Para estudantes e comunidade externa. Verificar salas disponíveis no dia do evento, no setor de protocolo-recepção do CEART. A utilização de laboratórios é condicionada à presença dx técnicx específicx. Para verificar a disponibilidade dos laboratórios, é necessário enviar previamente email para Ver email . Esta solicitação será priorizada para a utilização dos laboratórios por grupos. (não solicitações individuais).
Horário: 13h às 18h

Confira o cartaz com a programação completa:

Ceart Aberto à Comunidade terá mais de 30 atividades gratuitas temáticas da cultura japonesa


Categorias: 2019
Deixe seu comentário!







Cinema Gratuito
Exposições


Inscrições abertas
até 25 Agosto 2019 Evento gratuito Colabortart com brechó, arte, alimentação, música, oficinas, yoga e muito mais
até 26 Agosto 2019 Prefeitura abre 500 vagas gratuitas em palestras para empreendedores
até 26 Agosto 2019 Programa Jovem em Ação oferece 1,3 mil vagas gratuitas em cursos de capacitação profissional
até 26 Agosto 2019 Prefeitura abre cinco mil vagas em aulas gratuitas de defesa pessoal para mulheres


Curta nossa Fan-page
Siga-nos no Twitter


Buscar