FaceBook Instagram Twitter


Camerata Florianópolis interpreta "As Quatro Estações" e "Suite Don Quixotte"



Quando: 11 Outubro 2019, sexta-feira, às 20 horas
Onde: Teatro Ademir Rosa (CIC)
Endereço: Av. Governador Irineu Bornhausen, 5600 - Agronômica
Quanto: R$80 inteira e R$40 meia-entrada
Evento no FB: www.facebook.com/events/408812959818802

A Camerata Florianópolis traz novamente ao público da capital um de seus programas de maior sucesso.

Com a regência do maestro Jeferson Della Rocca e solos dos violinistas Talita Limas Alves, Iva Giracca, Elias Vicente Souza e Débora Remor, a orquestra apresentará no dia 11 de outubro de 2019, sexta-feira, às 20h, no Teatro Ademir Rosa (CIC), em Florianópolis, um concerto erudito com música do período barroco de Vivaldi e Telemann. Constituem o programa duas importantes obras dos compositores: As Quatro Estações e Suite Don Quixotte.

Os concertos de “As Quatro Estações”, de Antonio Vivaldi, estão entre as obras mais populares do barroco e da própria música universal. É uma obra icônica, conhecida até por quem não é dado a ouvir o repertório erudito.

O espetáculo faz parte das comemorações aos 25 anos da orquestra, completados em janeiro de 2019.
Classificação indicativa: Livre

INGRESSOS
Plateia inferior: R$ 80,00 (inteira) / R$ 40,00 (meia) / R$ 64,00 convênio (Clube NSC)
Plateia superior: R$ 50,00 (inteira) / R$ 25,00 (meia) / R$ 40,00 convênio (Clube NSC)
À venda nas bilheterias dos teatros CIC, TAC e Pedro Ivo, online pelo link: site.blueticket.com.br/evento/27459

PROGRAMA

LE QUATRO STAGIONI – Antonio Vivaldi
1 – Concerto Nº 1 in Mi Maggiore: La Primavera
Allegro / Largo / Allegro
2 – Concerto Nº 2 in Sol Minore: L´Estate
Allegro non molto / Adagio / Presto
3 – Concerto Nº 3 in Fa Maggiore: L’Autunno
Allegro / Adagio molto / Allegro
4 – Concerto Nº 4 in Fa Minore: L’Inverno
Allegro non molto / Largo / Allegro

SUITE DON QUIXOTTE
1 - Abertura
2 - Le Réveil de Quixotte
3 - Son Attaque des Moulins à Vent
4 - Ses Soupirs Amoureux Après La Princesse Dulcinée
5 - Sanche Panche Berné
6 - Le Galope de Rosinante / Celui d'Ane de Sanche
7 - Le Couche de Quixotte

LE QUATRO STAGIONI – Antonio Vivaldi

O compositor italiano Antonio Vivaldi nasceu em Veneza (Itália) em 1678 e morreu em Viena (Áustria) em 1741. Foi ordenado padre, mas sua dedicação à música e a saúde frágil o desobrigaram de algumas funções correntes dos religiosos de seu tempo. Compôs 770 obras, entre as quais 477 concertos e 46 óperas, porém muitas delas ficaram no anonimato, assim como o compositor, até a primeira metade do século XX, quando foram descobertas em Turim e Gênova.

Vivaldi influenciou outros compositores importantes, como J. S. Bach. Sobre ele, escreveu o pianista e cravista Moacyr Laterza Filho, doutor em literaturas de língua portuguesa e professor da Universidade do Estado de Minas Gerais: “A densidade da música de Vivaldi se esconde sempre sob a máscara de uma melodia franca, acessível ou de arroubos virtuosísticos em suas obras instrumentais e vocais. Eis aí mais um aspecto paradoxal, tão barroco, deste grande mestre veneziano, cuja obra ainda hoje soa tão encantadoramente atual”.

“As Quatro Estações – Opus 8 da obra Il Cimento dell'Armonia e dell’Invenzione”, de 1723, é a sua obra mais célebre. Com sua representação das atividades e situações sazonais acomodada numa forma de ritornello padronizada, estão descritas nos sonetos que acompanham a partitura, provavelmente de sua própria autoria: No concerto No 1, “A Primavera”, Antonio Vivaldi abre o Primeiro Movimento (Allegro) com um festivo tutti que anuncia a Chegada da Primavera, e com a mesma, já no primeiro solo em três violinos, o feliz canto dos pássaros que festejam a nova estação. Um novo tema apresentado pela orquestra sugere o murmúrio das fontes que, com o suspirar dos Zéfiros, correm docemente.

O segundo solo de violino indica a tempestade, onde os raios e trovões , vem cobrindo o ar em um manto negro. Mas, apesar da tormenta, o violino solista mostra no tema seguinte que enquanto isto, sem se importar, ficam os passarinhos, retornando ao seu encanto canoro. O Segundo Movimento (Largo) nos instiga a imaginar os prados floridos e amenos, onde ao som do doce murmúrio de árvores e folhas , dorme o camponês, enquanto, ao lado, ladra o seu fiel cão.

O Terceiro Movimento (Allegro), em forma de dança pastoral, representa uma festiva reunião, onde ao som alegre das gaitas camponesas, dançam as ninfas e os pastores, sob o ansiado céu de primavera, a surgir, brilhante. “Sob a dura estação, com sol a pino, extenuam-se tanto os homens como os animais e o pinheiro arde”, neste contexto se dá início ao Primeiro Movimento (Allegro nom molto –Allegro) do Concerto No 2, “O Verão”. Num primeiro solo de violino e violoncello, não é difícil perceber a intenção do autor em imitar o canto do cuco e, com ele, também o canto da pomba e o rouxinol. Um novo tema orquestral representa o doce sopro do Zéfiro, mas apesar disso, o vento boreal move-se desafiante ao lado dele. Um último solo de violino, expressa o triste choro do pastor, pois, apesar de tudo, ele teme a borrasca feroz e o seu destino. No Segundo Movimento (Adagio), o mesmo pastor estica seu corpo, procurando repouso, apesar do medo dos trovões furiosos e das abelhas e vespas ao seu redor. Mas, no difícil Terceiro Movimento (Presto), eis que seus temores se confirmam, o céu grandioso troveja, fulminante, quebrando os troncos do trigo, dizimando os grãos.

No Concerto No 3, “O Outono”, pode-se sentir já no primeiro tutti e conseqüente solo de violino do Primeiro Movimento (Allegro), novamente um ambiente alegre, onde, segundo os sonetos de Vivaldi, o camponês celebra com festas e cantos a feliz colheita, com intenso prazer. O mesmo está tão aceso pelos licores de Baco (segundo solo) que acaba com sono a sua alegria (Larghetto no final do Movimento). Com um solo de Cravo no Segundo Movimento (Adagio molto), uma linda ária, temperada com doçura, faz com que se encerrem as festas e os cantos; e a estação convida todos para um suavíssimo sono, como todos bem queiram. Terceiro movimento (Allegro) – No dia seguinte, o caçador sai à caça com trompas, espingardas e cães ferozes. Através de rápida passagem em tercinas do violino solista, podemos sentir a fuga da preza com os caçadores seguindo suas pegadas. Já esgotada e temerosa com o grande alvoroço de rifles e cães, a presa é ferida, tenta fugir, mas é atingida e morre.

Os primeiros trinados do Primeiro Movimento (Allegro non molto), do Concerto No 4, O Inverno, nos repassam a imagem de alguém tremendo sem parar sobre a neve, castigado ainda pelo severo soprar do vento cortante, anunciado já pelo primeiro solo de violino, gerando um clima de tensão que culmina no tutti orquestral, que passa a sensação do correr batendo os pés a todo o instante e no último solo do movimento, o bater dos dentes em um frio intenso. O aconchego de ficar ao fogo, quieto e satisfeito, enquanto a chuva do lado de fora a tudo banha, pode ser perfeitamente sentido não somente pelo doce e expressivo solo de violino do Segundo Movimento (Largo), mas também pelo pizziccatto da orquestra imitando a chuva.

O Terceiro Movimento (Allegro), é o único movimento rápido da obra que já começa com um solo de violino, sugerindo o caminhar sobre o gelo, a passos lentos, com medo de cair com a tentativa. O tutti seguinte expressa o caminhar com mais decisão e cair sobre a terra, novamente, ir sobre o gelo e correr forte, sem que o gelo se rompa. O tema seguinte em andamento lento e posterior a tempo num confronto entre violino e orquestra, finaliza com vigor a música, ou como Vivaldi desejou, “sentir sair do céu o vento Siroco, o boreal e todos os ventos em pé de guerra. Este é o inverno, ainda assim, há nele alegria”.

SUITE DON QUIXOTTE

A suíte “Don Quixote” é uma obra instrumental do compositor alemão Georg Philipp Telemann. O compositor popularizou a suíte orquestral francesa na Alemanha inspirando-se nas obras de Jean-Baptiste Lully, a quem admirava. Não há organização padrão para essas peças em multimovimentos, exceto que iniciam-se com a típica abertura no estilo francês: uma seção lenta grave dominada por ritmos pontuados seguida por um Allegro fugal que leva ao retorno à seção mais lenta de abertura. Segue-se uma seleção de movimentos de dança, cujo único critério reside nos arranjos contrastantes. Telemann também aperfeiçoou a moda francesa de dar títulos programáticos às suítes. Essa apresenta seis movimentos programáticos (após a abertura francesa) baseados no "Cavaleiro da Triste Figura" e seu criado Sancho Pança.

O primeiro movimento segue o estilo francês comum de abertura. - Le Réveil de Quixotte - O lento despertar de Dom Quixote através do uso de notas e pausas longas e de um ritmo de minueto lírico e simples. - Son Attaque des Moulins à Vent - Irrompem então semicolcheias e notas repetidas representando Dom Quixote atacando seus inimigos imaginários, os moinhos de vento. - Ses Soupirs Amoureux Après La Princesse Dulcinée - Movimento que reflete o amor de Dom Quixote incluindo motivos suspirantes e suspensões musicais representando sua paixão por Dulcinéia. - Sanche Panche Berné - Descrição musical imaginativa de Sancho Pança, por meio da inclusão de saltos oitavados, com desvios ornamentados dentro de um ritmo vigoroso. - Le Galope de Rosinante / Celui d'Ane de Sanche - Penúltimo movimento, é a descrição de Rocinante, cavalo de Dom Quixote, galopando num compaso 3/8, contrastando com o asno de Sancho, cuja teimosia é refletida por pausas e ritmos pontuados. - Le Couche de Quixotte - Telemann põe seu herói para dormir nesse movimento final com uma melodia simples e lírica - o exato oposto do movimento anterior - e completa o ciclo voltando ao começo da história.

Camerata Florianópolis interpreta "As Quatro Estações" e "Suite Don Quixotte"


Categorias: 2019
Tags: Camerata
Deixe seu comentário!







Cinema Gratuito
Exposições


Inscrições abertas
até 22 Outubro 2019 Prefeitura abre 500 vagas gratuitas em palestras para empreendedores
até 23 Outubro 2019 Udesc promove oficina gratuita de Hatha Yoga
até 26 Outubro 2019 Prefeitura abre cinco mil vagas em aulas gratuitas de defesa pessoal para mulheres
até 28 Outubro 2019 Programa Jovem em Ação oferece 1,3 mil vagas gratuitas em cursos de capacitação profissional


Curta nossa Fan-page
Siga-nos no Twitter


Buscar