FaceBook Twitter Google+
Início » Arquivo » Eventos de Maio 2016
Solo de dança contemporânea "Recluso", com Diogo Vaz Franco



Quando: 13 e 14 de maio, às 20 horas
Onde: Centro de Artes (Ceart), Udesc
Endereço: Av. Madre Benvenuta, 1907 - Itacorubi
Quanto: Gratuito
Evento no FB: www.facebook.com/events/665538106919638

O solo de dança contemporânea "Recluso", de autoria de Elke Siedler e performado pelo bailarino Diogo Vaz Franco, estreia nos dias 11 e 12 de maio, às 20h, no Teatro SESC Prainha. Baseado na obra de Oscar Wilde, cria uma ambiência sobre a transitoriedade da dor em estado de reclusão.

Após a estreia, Diogo entra em cartaz no teatro da UDESC com duas apresentações nos dias 13 e 14 de maio, às 20h. Todas as apresentações são gratuitas. Os ingressos serão distribuídos 1h antes da apresentação - sujeito a lotação.

Entender a profundidade do trabalho de Elke Siedler é voltar-se para dentro. As fragilidades que tratam o corpo do bailarino Diogo Vaz Franco em cena são carregadas em doses particulares pelos transeuntes deste século e de outrora. O corpo continua a sentir a pressão das deslealdades do mundo sob suas costas, a isolar o berro. O solo de dança contemporânea Recluso constrói um caminho de fluidez existencial a partir do movimento. Não tem pretensão de representar uma dor, mas criar uma ideia de transitoriedade do sofrimento, sem desprezá-lo como condição inferior da existência.

Essa dança nasceu de uma parceria artística entre Elke e Diogo. O bailarino é formado em artes cênicas pela Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC. Esboçou a primeira página deste projeto em 2008. Na época encontrou na obra "De Profundis", do escritor britânico Oscar Wilde, do final do século 19, a base que o estimulava para entrar em processo criativo. Wilde foi condenado a dois anos de prisão e trabalhos forçados apenas por ser homossexual, condição proibida pela sociedade vigente. O romance envolvendo o jovem Lord Alfred Douglas, apelidado de Bosie, o levou ao cárcere, onde escreveu uma série de cartas destinadas ao amante maldito, ao traidor que virou as costas ao homem que lhe devotou amor.

A história tocou Diogo. "Achei a narrativa muito forte, o modo que ele lidou com a situação. Um homem da alta sociedade enclausurado nos julgamentos e suas próprias vulnerabilidades. Ele elaborou a amargura da dor de ter experienciado o amor por um homem mimado, ingrato e insensível, numa obra literária ácida, expondo seus sentimentos e suas contradições. O lugar do erro lembrado diariamente, a repressão, a sexualidade transformada em poesia. Encontrei muita potência artística nesta obra", explica Diogo.

Com o projeto aprovado pelo Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura 2015, após sete anos engavetado, Diogo resgatou a proposta e convidou a artista Elke Siedler para compor e dirigir o trabalho. "Não é uma obra literal, muito menos de representação de um personagem. Seguimos no entendimento que todo corpo tem momentos de dor e o que você faz com a sua dor? Oscar Wilde não fugiu dela, pois o corpo estava confinado numa cela", complementa.

Pensar a dor, o corpo na situação de dor, uma situação de aprofundamento e experimentação da dor permeou os processos criativos de Elke Siedler. "A ideia é que o fluxo do movimento de Diogo instaure um ambiente poético da obscuridade/sofrimento da existência humana. Ele não está interpretando nada. O que importa é o que emerge deste fluxo do movimento, como uma metáfora, e a compreensão desta corporalidade delineada e compreendida durante os 45 minutos de apresentação", conta Elke.

E dentro dessa ambiência arquitetada, Diogo vive as direções dos entendimentos. Encontra brechas no percurso, imuniza a resistência, desmanchando-se muitas vezes na carência do afeto. Entrelaçado nos labirintos da angústia, ele descobre aberturas, edifica outras sustentações, cria possibilidades. "Tudo nesta vida se transforma, inclusive a dor. Permanecendo na dor, a própria dor muda, a própria produção de sentido e significação da dor muda, a própria qualidade da dor dentro de mim muda. Porque tudo na vida muda. Então, eu quero construir essa experiência com o público. E por quê falar sobre isso? Na sociedade em que vivemos, sofremos uma pressão biopolítica de estar sempre feliz, uma pressão gerenciada para o sucesso, sempre. Acabamos virando um produto para a sociedade. Acabamos nos transformando num avatar de nós próprios. A questão aqui não é negar, mas entrar no sentimento, nos aprofundar em aspectos não vistos e quistos pela nossa sociedade. Sem vitimização, é outro aspecto de estar neste mundo", resume Elke.

Ficha Técnica
Direção Coreográfica: Elke Siedler
Bailarino: Diogo Vaz Franco
Música: Nelson D.
Luz: Priscilla ​Costa​
Foto: Cristiano Prim
Solo de dança contemporânea "Recluso", com Diogo Vaz Franco


Categorias: Maio 2016
Deixe seu comentário!





Cinema Gratuito
Exposições


Inscrições abertas
até 23 Fevereiro 2018 Inscrições para workshop gratuito de defesa pessoal feminina
até 23 Fevereiro 2018 Inscrições para cursos gratuitos de teatro de animação, instrumentos e prática de orquestra do IFSC
até 23 Fevereiro 2018 Inscrições para oficina gratuita de Curadoria Colaborativa de Coleções
até 25 Fevereiro 2018 Trilha Medita do Vale da Utopia da Guarda do Embaú com prática de yoga e meditação orientada
até 26 Fevereiro 2018 Inscrições para aulas gratuitas de dança, alongamento e ginástica 2018/1
até 26 Fevereiro 2018 Palestra gratuita Os Mistérios dos Antigos Celtas


Curta nossa Fan-page
Siga-nos no Twitter


Buscar