FaceBook Twitter


Espetáculo teatral “Dona Maria, a Louca”



Quando: 29 e 30 de março, às 20h30min
Onde: Teatro da UFSC – DAC
Endereço: Praça Santos Dumont, 117 - Trindade
Quanto: Gratuito
Evento no FB: www.facebook.com/events/2137029329708985/

O espetáculo “Dona Maria, a Louca”, do autor, ator e diretor catarinense Antônio Cunha será apresentado nos dias 29 e 30 de março (sexta-feira e sábado), às 20h30, no Teatro da UFSC (ao lado da Igrejinha). Os ingressos são gratuitos e serão distribuídos na bilheteria do teatro, que abre uma hora antes do início das apresentações.

O monólogo retorna ao palco, em leitura dramatizada, para comemorar os 20 anos de estreia da peça. A apresentação integra a programação do Projeto Cena Aberta, realizado pelo Departamento Artístico Cultural (DAC)/SeCArte da UFSC.

Sinopse

Aos 74 anos, a rainha Maria I chega ao Brasil em 1808. Relutante em descer da embarcação, permanece por quase três dias à porta de um mundo com o qual travava, durante toda a sua vida e seu reinado, uma relação tão próxima pelo que dele recebia, via e ouvia, e ao mesmo tempo tão distante pelo que dele imaginava em seus momentos de lucidez ou de loucura.

A visão dantesca do Brasil que Maria constrói a partir da janela de seu camarote remonta à visão dos primeiros colonizadores, e que, resguardada a distância dos 300 anos que os separam, pouco mesmo se teria evoluído. Para Maria, “A louca”, o mundo que ora se lhe apresenta é intrigantemente “louco”. Neste cenário, onde, solitária e distante das regras que permeiam a sua condição de monarca, espectadora privilegiada e ao mesmo tempo personagem principal, Maria revisita a sua própria tragédia.

Sobre a peça, segundo o ator e diretor

“Dona Maria, a Louca” foi escrita por Cunha, entre 1998 e 1999, com a colaboração da historiadora Ivonete da Silva Souza na pesquisa histórica e, em meados de 1999, estreou em Florianópolis, numa montagem do Grupo de Teatro O Dromedário Loquaz, com atuação premiada da atriz Berna Sant’Anna, direção de José Pio Borges, cenário e iluminação do saudoso Sylvio Mantovani e música composta pelo maestro Carlos Alberto Vieira.

As primeiras apresentações ocorreram no Teatro da UFSC em evento acadêmico, e, em seguida, a peça fez temporada no Teatro da UBRO, logo após a sua reforma, porém, antes da inauguração. Em 2002 o texto recebeu montagem em São Paulo, com a atriz Marisa Hipólito sob a direção de Jairo Maciel, e em 2011 estreou em Portugal, com atuação e direção da grande atriz portuguesa Maria do Céu Guerra.

A montagem portuguesa, que garantiu a Maria do Céu o prêmio nacional Santareno de melhor atriz de teatro de 2011, fez longa carreira de sucesso naquele país e excursionou por Santa Catarina e Rio de Janeiro, em 2012. A peça foi publicada pelo autor em 2004, juntamente com outras duas, no livro Três D(r)amas Possíveis.

Segundo o diretor da peça, raramente a comunidade tem a oportunidade de assistir à leitura de uma obra feita pelo próprio autor. Isto é comum em outros países, mas raro no Brasil.

Sobre o diretor

Antônio Cunha é dramaturgo, diretor e ator e tem o seu nome vinculado a diversas produções de companhias teatrais como os Grupos Armação e O Dromedário Loquaz, de Florianópolis. Formado em Sociologia pela UFSC, dedica-se às Artes Cênicas há 40 anos. Sua formação na área é autodidata.

Durante esse tempo, com esforço particular, tem buscado e pesquisado o material necessário para a sua formação, participando de encontros, debates, publicações e produções na área. São de sua autoria, além de “Dona Maria, a Louca”, as peças “As Quatro Estações” e “Flores de Inverno”, as três publicadas no livro “Três Dramas Possíveis”, bem como “Contestado – A Guerra do Dragão de Fogo Contra o Exército Encantado”, “Eu Confesso!” e “Crime”.

Como ator, tem passagens pelo teatro e pelo cinema catarinense. Como diretor de teatro, assinou a montagem de várias peças suas e de outros autores, como “Uma Visita” (do alemão Martin Walser), “Sonho de Uma Noite de Velório” e “Sopros de Paz e Guerra” (ambas de Odir Ramos da Costa).

Nos anos 1980 recebeu prêmios locais como autor, diretor e ator. Em 1999 recebeu o Prêmio Plínio Marcos de Dramaturgia no Festival Nacional de Teatro de Lages pelo texto Dona Maria, a Louca. Desde 2016 é presidente da Academia Catarinense de Letras e Artes – ACLA.

Duração: 80 minutos
Classificação Indicativa: 12 anos

Quanto: Gratuito e aberto à comunidade.
Os ingressos devem ser retirados na bilheteria do teatro, que abre uma hora antes do início das apresentações.

Espetáculo teatral “Dona Maria, a Louca”


Categorias: 2019
Deixe seu comentário!







Cinema Gratuito
Exposições


Inscrições abertas
até 18 Abril 2019 Prefeitura abre cinco mil vagas em aulas gratuitas de defesa pessoal para mulheres
até 18 Abril 2019 Udesc abre pré-inscrições para minicurso gratuito de natação infantil
até 18 Abril 2019 IFSC abre quase 500 vagas de ensino médio técnico gratuito
até 18 Abril 2019 Cantares e Fazeres dos Açores - evento gratuito com músicos açorianos e oficina de artesanato
até 18 Abril 2019 Festival de Sapateado Floripa TAP 2019 terá cinco dias com atrações gratuitas
até 18 Abril 2019 Curso Extracurricular de Latim da UFSC aberto à comunidade


Curta nossa Fan-page
Siga-nos no Twitter


Buscar